10 Motivos para mudar do Windows para o Ubuntu

Está pensando em largar o Windows? Nós vamos te ajudar!

Depois de algumas campanhas da Microsoft contra o Software Livre, resolvemos criar este artigo como forma de “responder” este tipo de artigo, usando o Ubuntu como plataforma, por ser na nossa opinião o mais acessível e completo sistema baseado em Linux para usuários comuns, o que nos traz a uma lista com 10 motivos para você abandonar o “sistema das janelas” e migrar para o “Pinguim.”

1 – É totalmente grátis

 O Ubuntu é grátis
Você poderá baixar o Ubuntu totalmente de graça, você sempre vai ter um sistema completo, não existem versões “Home Basic” ou “Starter” com recursos “capados” e também não existem versões “PRO” ou “Ultimate”, você sempre terá o que há de melhor em software livre sem precisar desembolsar nenhum tostão furado.

2- É mais seguro

O Ubuntu é praticamente impenetrável
Vírus e Windows são quase sinônimos, no Ubuntu você tem uma margem de segurança muito maior, conheço pessoas que usam Linux a mais de 15 anos e nunca pegaram um vírus sequer, se você for paranoico ainda pode habilitar um firewall e até mesmo instalar um software antivírus como o Avast no Ubuntu, mas isto realmente não é necessário.

3 – Você manda no sistema, e não o sistema em você

Com Linux você tem controle
Quantas vezes você foi “obrigado” a instalar um programa adicional, uma toolbar, reinicializar o sistema para completar uma atualização sem ter a opção de deixar para depois ou ainda teve que esperar o Windows instalar atualizações para poder utilizar o sistema?
Quantas vezes você deixou o seu computador mais lento por instalar um tema, ou “bugou” os ícones por instalar um pacote de ícones?
No Ubuntu quem manda no sistema é você, se você quer instalar as atualizações mais tarde você fará isso, se o sistema pedir para reiniciar o computador e você disser que não quer mais ver aquela mensagem ela não vai mais aparecer naquela sessão.
Você tem controle de instalar novos ícones, temas, mudar as coisas de lugar, trocar nomes, mudar softwares, no mundo open source tudo é perfeitamente customizável.

4 – Programas a poucos cliques e mais segurança

Central de Programas do Ubuntu
Para instalar programas no Ubuntu basta abrir a Central de Programas onde você vai encontrar uma espécie de “Lojinha” de aplicativos, semelhante as dos dispositivos móveis, 90% dos softwares são realmente úteis e grátis, existem até mesmo revistas que você pode comprar por lá.
Para instalar qualquer aplicativo é necessário digitar a senha de usuário, então ninguém não-autorizado vai poder instalar coisas no seu sistema operacional à menos que você permita, e ainda existem por aí na internet à fora milhares de pacotes .DEB que funcionam como os EXE do Windows permitindo a instalação em dois cliques.
Quantas vezes você baixou um programa de um site como o Baixaki e acabou instalando mais coisas do que queria, no Ubuntu isso “non Ecsiste”

5- Interface gráfica moderna e maleável

Unity é a interface padrão do Ubuntu
O Ubuntu traz um conceito novo de busca inteligente que vem sendo copiando até pelo Windows 8 que são as SmartScopes, uma simples pesquisa na Dash ( menu do Ubuntu ) permite que você encontre todo o tipo de mídia relacionada a sua busca, aplicativos instalados, disponíveis para instalar, artigos na Wikipédia, músicas no SoundCloud, vídeos do YouTube são só alguns exemplos, e claro se você não quiser ver nada disso você pode escolher também, afinal, é você quem manda, lembra?
O nome da interface do Ubuntu é Unity, mas se você não gostar dela você pode simplesmente trocar, esse tipo de coisa é até difícil de explicar para quem usa Windows, mas você pode simplesmente instalar outro ambiente gráfico e usar sem prazo de validade.

6- Mais estável que o Windows

Tela Azul da Morte
A maioria das pessoas quando pensa em “travamentos” associa a grande falta de estabilidade no sistema Windows, a verdade é que além de praticamente não travar, o Linux muito raramente ( pra não dizer nunca ) tem um erro crítico do tipo “Tela Azul da Morte”, no Linux esse erro equivalente se chama Kernel Panic e o número de pessoas que viu ele é o mesmo que viu o “pote de ouro no fim do arco-íris.”
Além disso o Linux consome menos memória, se um programa trava ele não trava o sistema inteiro, Linux é usado em servidores críticos, como os computadores da estação espacial internacional e é praticamente inquebrável, pelo menos para usuários comuns, ou seja você pode deixar seu computador ligado tanto tempo quando o seu hardware aguentar.

7- Sem drivers para instalar

Deixa que eu dirijo
Este é outro mito que cabe derrubar, você não vai precisar instalar qualquer driver praticamente, pois diferente do Windows, os melhores drivers em sua maioria já vem incluídos no Kernel Linux, sobrando apenas para você instalar os drivers da sua placa de vídeo caso queira um desempenho superior para jogos, e normalmente o sistema vai te informar deste detalhe e cabe a você simplesmente dar alguns “OKs” para instalar.

8 – Linux tem sim muitos jogos!

Jogos Linux na Steam

Se você é um gamer pode ficar tranquilo pois vai encontrar muitos jogos para Linux, a maioria grátis e todo o arsenal da Steam que só tem a crescer, alguns jogos deverão chegar em breve ao Ubuntu já que a Valve está desenvolvendo o seu console baseado no Linux, por outro lado ainda existe um aplicativo chamado WINE para rodar o seu bom e velho GTA e o seu Need For Speed entre outros softwares e jogos diretamente no Linux.Confira o nosso canal no YouTube, lá tem muitas dicas e jogos para o Ubuntu.
Ah, e acabei de me lembrar que fizemos uma listinha com mais de 80 games para Linux, dá uma olhadinha aqui.

9 – Um sistema integrado com as redes sociais e com a internet

Indicador de mensagens do Ubuntu
Se você é o tipo de usuário que vive ligado nas redes sociais, Facebook, Twitter, YouTube, ainda tem várias contas de e-mail, conversa via Skype, via Google Talk, via chat do Facebook ou seja lá o que for o Ubuntu irá lhe atender maravilhosamente bem.
Com o Ubuntu tudo isso é concentrado em um único lugar, num indicador na barra superior, qualquer atividade que acontece em um destes serviços é armazenado neste ícone, basta você configurar tudo o que quiser com as contas online.

Contas Online no Ubuntu
Ainda é possível navegar por arquivos e fotos no seu Google Drive e Picasa através nas Lentes da Dash do Unity, assim como enviar fotos para o sua rede social favorita através do Shotwell.
O Ubuntu também traz o Ubuntu One, um serviço de armazenamento de dados online semelhante ao Dropbox, que entre outras facilidade permite que você faça backup dos seus arquivos e salve em segurança em um servidor.

Serviços como Skype, Hangouts, Dropbox e até mesmo o Google Drive pode ser utilizados no sistema sem nenhum problemas.

O Ubuntu vem com o Firefox por padrão ( pra quê IE né?) e você pode instalar também o Google Chrome e Opera sem problemas além de outros navegadores disponíveis na Central de Programas.

10 – Conseguir ajuda é muito fácil

Comunidade Linux pronta para te ajudar
É natural nos sentirmos meio perdidos ao começar a usar um sistema novo e com o Ubuntu não seria diferente, o Ubuntu e seus derivados possuem a maior comunidade Linux que existe, são milhões de pessoas dispostas a te ajudar em grupos nas redes sociais em fóruns na internet.

Esse tipo de suporte costuma ser muito rápido e em pouco tempo a sua dúvida será respondida, porém essas pessoas te ajudam por que gostam de ajudar uns aos outros, estar no meio dessa comunidade é uma das melhores coisas de se usar Linux.
Além disso, existem milhares de sites e blogs como o Diolinux, recheadinhos de dicas para você instalar programas, temas, otimizar o seu sistema e solucionar os seus problemas, realmente é muito difícil não existir solução na internet para o seu problema, existe também um fórum chamado AskUbuntu mantido pela Canonical, empresa que desenvolve o Ubuntu, que é um fórum oficial onde você vai encontrar muito conteúdo de fácil acesso e tudo o que falamos até agora é gratuito, sem gastar nenhum tostão furado!

Claro, se você quiser pagar, você terá suporte profissional através da Canonical, mas isso é só uma opção.

Concluindo

Quem já usa Linux consegue achar mais e mais motivos para trocar de sistema, inclusive pode deixar os seus motivos aqui nos comentários do site, com tudo isso não há nenhuma razão para você pelo menos não testar o sistema, não?
Fizemos até um vídeo para ensinar você a baixar o Ubuntu, e lembre-se é GRATUITO e NÃO É PIRATARIA. Confira abaixo:

 Data: dez. 2013

Resolvendo problemas de consumo de bateria em notebooks com Linux

Quem nunca teve problemas de consumo de bateria em notebooks com Linux? Principalmente em algumas distribuições “mais completas”, como o Ubuntu, Fedora e openSUSE, dependendo do seu hardware, sua bateria “vai embora” em pouco tempo.

Existem algumas soluções específicas para cada modelo de placa-mãe ou fabricante de Note, e ainda existem soluções a nível de kernel que podem ser implementadas no seu sistema afim de diminuir o consumo de bateria (como por exemplo o post deste link). Porém hoje vamos comentar uma solução interessante que roda via terminal e é bastante simples de implementar, o TLP.

O TLP é uma aplicação de linha de comando para sistemas Linux que aplica automaticamente algumas configurações e/ou ajustes dependendo da sua distro e do seu hardware, e ele ainda tem a opção de aplicar ajustes manuais no seu sistema, como habilitar/desabilitar WiFi, Bluetooth, 3G e etc, e configurações a nível de Kernel (para maiores informações, acesse este link).

Instalação

Como comentamos, o TLP é muito simples de se instalar e configurar. Abaixo iremos abordar a instalação para as principais distribuições Linux, porém antes temos algumas recomendações a serem feitas:

  • desabilite quaisquer scripts que você tenha colocado para inicialização automática no seu sistema (em/etc/rc.local ou /etc/init.d, por exemplo)
  • desinstale o pacote laptop-mode-tools, caso você o tenha instalado

Ubuntu 10.04 – 13.04 (ou Linux Mint)

sudo add-apt-repository ppa:linrunner/tlp

sudo apt-get update

sudo apt-get install tlp tlp-rdw

sudo apt-get install tlp tlp-rdw tp-smapi-dkms smartmontools ethtool

E você usa Sandy Bridge (X220/T420, X230/T430 et al.) instale estes pacotes também:

sudo apt-get install acpi-call-tools

E se seu Notebook for da família ThinkPad, rode este comando abaixo também:

sudo apt-get install tp-smapi-dkms

Debian 6.0 ou superior

Adicione a linha abaixo no /etc/apt/sources.list

E a chave pública para o PPA:

apt-key adv –keyserver keyserver.ubuntu.com –recv-keys 02D65EFF

ou

apt-key adv –keyserver pool.sks-keyservers.net –recv-keys 02D65EFF

e

apt-get update

sudo apt-get install tlp tlp-rdw

sudo apt-get install tlp tlp-rdw tp-smapi-dkms smartmontools ethtool

E você usa Sandy Bridge (X220/T420, X230/T430 et al.) instale estes pacotes também:

sudo apt-get install acpi-call-tools

E se seu Notebook for da família ThinkPad, rode este comando abaixo também:

sudo apt-get install tp-smapi-dkms

Arch Linux

O TLP para Arch Linux está disponível via AUR. Para instruções de instalação, leia a Arch Wiki.

openSUSE 11.4 ou superior

openSUSE 11.4

E se o repositório Contrib não estiver ativo:

openSUSE 12.1

E se o repositório Contrib não estiver ativo:

openSUSE Tumbleweed

Update do repositório:

zypper ref

E

zypper in tlp tlp-rdw tp_smapi-kmp-desktop smartmontools ethtool

Fedora 16 ou superior

yum localinstall –nogpgcheck http://repo.linrunner.de/fedora/tlp/repos/releases/tlp-release-1.0-0.noarch.rpm

Ou

Download dos pacotes:

rpm -ivh tlp-release-*.noarch.rpm rpmfusion-free-release-*.noarch.rpm

Agora vamos instalar

yum install tlp tlp-rdw akmod-tp_smapi

E você usa Sandy Bridge (X220/T420, X230/T430 et al.) instale estes pacotes também:

yum install akmod-acpi_call

Pronto, seu TLP está instalado. Agora vamos iniciá-lo:

sudo tlp start

Possibilidades interessantes do TLP

Checando o sistema:

sudo tlp-stat

Checando o estado da bateria:

sudo tlp-stat -b
sudo tlp-stat –battery

Checando as configurações:

tlp-stat -c
tlp-stat –config

Habilitando/Desabilitando WiFi e Bluetooth

wifi [ on | off | toggle ]

bluetooth [ on | off | toggle ]

Muitas mais informações e possibilidades do TLP você encontra aqui: http://linrunner.de/en/tlp/docs/tlp-linux-advanced-power-management.html

Com informações daqui

Data: abr. 2013
Fonte: sejalivre.org

Identificando o hardware no seu sistema linux

Identificando o hardware no seu sistema linux

Por padrão, as distribuições linux possui algumas ferramentas para identificar o hardware, tais como, lspci, lsusb entre outros. Porém, hoje apresentaremos outras possibilidades que pode detalhar melhor seu hardware, tais como, lshw e dmidecode.

lshw

lshw é uma ferramenta para fornecer informações detalhadas sobre a configuração da máquina de hardware. O mesmo informa configuração de memória, versão de firmware,configuração de placa-mãe, versão de processador e velocidade, configuração de cache, entre outras informações.

Instalação

RedHat/CentOS/Fedora

# yum install lshw lshw-gui

Debian/Ubuntu

# apt-get install lshw lshw-gtk

lshw-gtk

lshw em modo gráfico.

Para maiores detalhes de utilização da aplicação, clique aqui.

Dmidecode

Semelhante ao lshw, a ferramenta dmidecode fornece inúmeras informações sobre o hardware de seu computador diretamente no terminal. As formas mais utilizadas são as seguintes:

# dmidecode -s

O comando acima oferece as seguintes opções abaixo:

bios-vendor

bios-version

bios-release-date

system-manufacturer

system-product-name

system-version

system-serial-number

system-uuid

baseboard-manufacturer

baseboard-product-name

baseboard-version

baseboard-serial-number

baseboard-asset-tag

chassis-manufacturer

chassis-type

chassis-version

chassis-serial-number

chassis-asset-tag

processor-family

processor-manufacturer

processor-version

processor-frequency

Obtendo o fabricante do notebook:

# dmidecode -s system-product-name

Obtendo a frequência do processador:

#dmidecode -s processor-frequency

Agora…digitando o comando abaixo obtemos:

# dmidecode -t

dmidecode: option requires an argument — ‘t’

Type number or keyword expected

Valid type keywords are:

bios

system

baseboard

chassis

processor

memory

cache

connector

slot

Informações da placa-mãe

# dmidecode -t  baseboard

O comando dmidecode e lshw oferece uma infinidade de opções. Agora, é utilizar o comando de acordo com uma necessidade, por exemplo, preciso saber qual processador está sendo utilizado nesta estação de trabalho (dmidecode -s processor-frequency) e assim por diante.

Fonte: man dmidecode, lshw

Data:  jun. 2013
Fonte: sejalivre.org

Lego, Rube Goldberg e a melhor maneira de fazer lances livres

goldberg

Todo mundo que assistiu os desenhos do Tom & Jerry ou do Pica-Pau sabe o que é uma Máquina de Rube Goldberg, mas talvez não conheça a história por trás de sua origem: o cartunista e inventor que dá nome às bugigangas costumava fazer charges onde desenhava esses elaborados conjuntos mecânicos capazes de executar tarefas simples, mas das maneiras mais complexas e inusitadas possíveis.

Desde 2005 o aumento da popularidade dos fantásticos Lego Mindstorms (kits que permitem montar desde robôs a computadores rudimentares) estimulou o surgimento de uma vertente dos entusiastas de Goldberg que se dedicaram a montar GBCs (Great Ball Contraptions, ou Bugigangas Lançadoras de Bolas numa tradução livre), traquitanas capazes de lançar bolinhas numa sucessão de movimentos complicados.

Só que dessa vez o usuário do YouTube Philip Verbeek caprichou: além de sua GBC ter um ótimo design (o que chega a ser um tanto contraditório), o vídeo foi gravado com uma qualidade e trilha sonora excelentes, e detalha cada parte da máquina composta de 2.500 pecinhas de Lego, dois motores e uma bomba de ar de 9V. Um controlador Lego NTX NXT serve como cérebro do conjunto, dividido em seis módulos.

O resultado é de babar, apesar de me convencer que jamais construirei algo parecido. :)

Fonte: meiobit.com

Uma nova era se inicia com o Ubuntu

Uma nova era se inicia com o Ubuntu

Cotado como uma das distribuições Linux mais famosas do mundo, o Ubuntu esta cada vez mais próximo das pessoas, tendo em vista que sua desenvolvedora, a Canonical, vem conduzindo a missão de levar o sistema a vários lugares do mercado, como desktops, notebooks, servidores, celulares e tablets (que eu não vejo a hora pra colocar em meu smartphone), dentro das nossas TVs e etc.

Ubuntu Touch

Sem dúvidas o Ubuntu Touch, que nada mais é do um “Ubuntu para celulares e tablets”, foi um grande passo para nós, amantes do Software Livre.

No dia 02 de Janeiro de 2013 a Canonical fez o tão esperado anúncio dessa grande marca que vai agora para nossos bolsos. Pelo o que eu venho lendo na mídia especializada, são até agora boas críticas em torno do sistema: que está sendo divulgado como algo prático, rápido e legal de se usar! Sim legal de se usar. Engraçado isso, pois pra maioria dos “medievais” (desculpe a expressão) que acham o Linux algo de nerd, cheio de códigos inúteis. Saiba que vocês não sabem o que estão perdendo .

Esta aí o grande concorrente do iOS e do Android sem a menor sombra de dúvidas, pois pra mim, o terceiro lugar que é do Windows Phone vai ser facilmente superado pelo UbuntuTouch. Você concordam?

Steam para Linux

Foi como eu disse no último tópico. Algumas pessoas ainda dizem que o Linux é uma coisa sem graça: eu tenho pena de vocês.

No dia 20 de dezembro de 2012 a gigante do mundo dos jogos, a VALVE, fez um grande anúncio para a comunidade do software livre: o Steam agora roda oficialmente no Linux, isso mesmo! Você poderá jogar CS (que sou fã) no seu Linux, e claro, muito mais!

A “loja pra Linux” só deve crescer cada vez mais, isso tudo pra mim é reconhecimento e reconhecimento inteligente, pois assim podemos ver que o Linux esta sendo olhado com novos olhos, e o Ubuntu faz parte disso.

Vocês devem pensar: nossa esse cara é fã do Ubuntu e não está nem aí pra outras distro – não é assim. Pra não fugir um pouco do nosso foco, temos que colocar e reconhecer que o Ubuntu esta ajudando bastante a Comunidade Linux como um todo!

Futuro do Ubuntu

Pois bem, esse vai ser meu último tópico desse artigo, pois se eu for falar aqui das grandes inovações que hão por vim, terei que escrever um livro (na verdade penso em fazer isso um dia) porque temos ainda vários assuntos como a Ubuntu TV e a escolha do Ubuntu como SO oficial da China, a futura maior potência do mundo, dentre outros. Isso é maravilhoso, vocês não tem ideia!

Pelo o que eu vejo esse ano vai ser um ano de construção e no próximo ano (2014) ai sim vai ser um ano do Linux, em especial do Ubuntu, pois podemos ver a chegada do grande e aguardado Ubuntu Touch para Tablets e Smartphones em todo globo.

Nós falamos e falamos aqui do Ubuntu para diversos cenários e esquecemos de um velho amigo: o PC. O Ubuntu Desktop ainda é um dos principais projetos da Canonical, tendo em vista que a mesma tem a pretensão de que 5% de todos o mundo dos PCs e Notebooks vão sair rodando o Ubuntu. Isso é uma maravilha!

Vale lembrar que a ideia de Mark Shittleworth, CEO da Canonical, é chegar em 200 milhões de consumidores no total até, no máximo 2015. Então acho que só nos resta esperar para que o Ubuntu faça valer, todos os esforços de desenvolvedores do mundo inteiro que passam horas e mais horas fazendo algo para ajudar nossa comunidade de milhões de pessoas. Vamos esperar 2014, pois muita coisa boa ainda vem por aí!

Fonte: sejalivre.org